Direito de Resposta: Jornalista Andreza Matais, Estadão

megaloterias
Jornalista Andreza Matais, editora no jornal O Estado de S.Paulo (Foto: Reprodução (Youtube))
Jornalista Andreza Matais, editora no jornal O Estado de S.Paulo (Foto: Reprodução (Youtube))

Abaixo o DC Diário Carioca publica na integra o Direito de Resposta da Jornalista Andreza Matais, do Jornal Estado de S. Paulo citada na reportagem intitulada “Denúncia explosiva envolvendo editora-chefe do Estadão gera polêmica”,publicada em 19 de novembro de 2023, que pode ser encontrada neste link:

Sobre a publicação “Denúncia explosiva envolvendo editora-chefe do Estadão gera polêmica“, de 19 de novembro de 2023, repudio as mentirosas e infundadas acusações divulgadas por este veículo a meu respeito, como se verdade fossem, sem ouvir os repórteres que assinaram a matéria e sem informar ao leitor que se tratava de uma denúncia anônima.

Jamais submeti os jornalistas da minha equipe a coação, muito menos visando àelaboração de “matéria sensacionalista” e “preconcebida” contra qualquer pessoa. Tampouco os expus a “condições de trabalho degradantes e humilhantes” nem pratiquei “ilegalidades trabalhistas”, como irresponsavelmente reproduziu a matéria.

Os próprios jornalistas de política do Estadão, também indignados com as acusações, divulgaram em 22 de novembro de 2023 uma carta aberta na qual reprovaram a divulgação de “versões falsas sobre nossas condições de trabalho” e esclareceram serem “mentirosas as informações… de que nossas reportagens são escritas e publicadas sob coação e assédio de editores”.

A verdade é que a cobertura jornalística do caso “Dama do Tráfico” não foi “distorcida e tendenciosa”. As visitas de Luciane Barbosa Faria ao Ministério da Justiça, então comandado por Flávio Dino, foram confirmadas pela própria pasta, que, inclusive, mudou as regras de acesso ao prédio. E um secretário do Ministério assumiu publicamente o erro.

Ou seja, não agi por conveniência pessoal ou com o intuito de beneficiar a candidatura de quem quer que seja a uma vaga de Ministro do Supremo Tribunal Federal. Muito menos a do presidente do Tribunal de Contas da União, de quem não sou “amiga pessoal”. 

Como sempre faço, e como é tradição do Estadão, eu e a equipe de política do jornal levamos à sociedade informações verdadeiras a respeito de um assunto de evidente interesse público, respeitando a ética jornalística e os direitos trabalhistas.

megaloterias
megaloterias