Explica Doutor(a)

6 dúvidas sobre menopausa respondida por especialista

Menopausa: segundo pesquisa para 69% das mulheres esse é um tema tabu, especialmente por estar associada com pessoas mais velhas, o que traz um constrangimento ainda maior. Além disso, 55% das mulheres enxergam a menopausa como uma "deterioração" do corpo

megaloterias
Menopausa: segundo pesquisa para 69% das mulheres esse é um tema tabu, especialmente por estar associada com pessoas mais velhas, o que traz um constrangimento ainda maior. Além disso, 55% das mulheres enxergam a menopausa como uma "deterioração" do corpo
Dra. Tassiane Alvarenga - Foto: Divulgação

Toda mulher sabe que, em algum momento, vai passar pela menopausa. Porém, ainda se fala pouco – e se compreende menos ainda! – sobre esse assunto e as mudanças que as mulheres vão, de fato, enfrentar nesse período.

Pensando nisso, e aproveitando que o dia 18 de outubro é o Dia Mundial da Menopausa, as principais dúvidas sobre o assunto foram respondidas pela médica Dra. Tassiane Alvarenga, endocrinologista e metabologista membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. Olha só:

1. O que é menopausa?

“A menopausa representa uma fase biológica do organismo feminino, caracterizada pelo fim da capacidade reprodutiva e da produção dos hormônios sexuais pelos ovários, principalmente o estrogênio”, explica o Dra. Tassiane Alvarenga.

É por isso que os médicos determinam a menopausa quando se passa um ano desde a última menstruação da mulher. Ela é considerada um marco, o fim de um processo gradual de queda na produção de hormônios pelos ovários que, anos antes da menopausa, começa a causar sintomas – esse período é chamado de perimenopausa.

2. Com qual idade a mulher entra na menopausa?

Em média, a mulher entra em menopausa em torno dos 50-51 anos, porém a idade pode variar de mulher para mulher. Ela é considerada normal dos 45 aos 55 anos, mas, é considerada precoce (ou tardia), quando acontece fora dessa faixa etária.

3.Existe algum exame que confirma a menopausa?

“Às vezes, medem-se os níveis do hormônio folículo-estimulante (FSH) para confirmar a menopausa”, explica a Dra. Tassiane Alvarenga, endocrinologista e metabologista membro da SBEM. “Quando o nível de FSH no sangue da mulher é consistentemente elevado, ou seja, igual ou maior do que 30 mUI/mL, e, ao mesmo tempo, a mulher ficou sem menstruar durante um ano, geralmente se aceita que esta mulher chegou na menopausa.”

Um único teste, porém, não é o suficiente para fechar o diagnóstico. Para isso, é preciso um acompanhamento que analisa também sinais e sintomas, a fase da vida da mulher e outras condições que podem interferir nessa produção hormonal.

4.Quais os sintomas da menopausa?

“Os sintomas mais comuns nesse período são mudanças na menstruação, redução da fertilidade, fogachos (calorões), ressecamento vaginal, distúrbios do sono, oscilações de humor, falta de energia, ganho de peso, alterações na memória e na concentração, piora da sexualidade, problemas urinários, dor nas articulações, alteração na pele e cabelo, alterações oculares, dentárias, bucais e auditivas”, explica a endocrinologista.

5.É normal menstruar depois da menopausa?

Aqui, entra um ponto de atenção importantíssimo: toda mulher com sangramento uterino após a menopausa (depois de mais de um ano sem menstruar) deve procurar um ginecologista para investigação e excluir causas graves, como o câncer de endométrio.

“Mulheres em terapia hormonal da menopausa podem vir a ter sangramentos, porém isso geralmente não é um motivo de preocupação – requer, via de regra, um ajuste na prescrição hormonal para eliminar esse efeito colateral indesejado”, esclarece a Dra. Tassiane.

6.Quando a terapia hormonal é indicada?

A terapia hormonal (TH) é o único tratamento comprovadamente eficaz para o alívio dos principais sintomas da menopausa, principalmente os calores (fogachos) e os sintomas de ressecamento vaginal (síndrome genitourinária da menopausa). A TH também é aprovada como primeira linha de tratamento e prevenção da osteoporose, e indicada obrigatoriamente para mulheres com diagnóstico de menopausa precoce.

Dra. Tassiane Alvarenga – ENDOCRINOLOGISTA E METABOLOGISTA

  • Graduação em Medicina pela Universidade Federal de Uberlândia – UFU;
  • Residência Médica em Clínica Médica pela Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP;
  • Residência Médica em Endocrinologia pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FM USP);
  • Título de Especialista pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia- SBEM;
  • Membro da Endocrine Society, SBEM e ABESO;
  • Faz parte do Corpo Clínico da Santa Casa de Misericórdia de Passos.
  • Sobrepeso e Obesidade. Compulsão Alimentar e Ansiedade;
  • Obesidade Infantil;
  • Diabetes Mellitus e Pré Diabetes: Controle da glicemia e prevenção de complicações como Retinopatia , Neuropatia , Nefropatia , Infarto do Miocárdio e Acidente Vascular Cerebral (AVC);
  • Dislipidemias ( Colesterol);
  • Doenças da tireoide ( Hipo e Hipertireoidismo, Nódulos na Tireóide);
  • Osteopenia e Osteoporose;
  • Seguimento pré e pós operatórios de cirurgia bariátrica;
  • Check-up e Avaliação de rotina;
  • Baixa Estatura;
  • Distúrbios da Menstruação, Distúrbios da Puberdade, Crescimento e Desenvolvimento sexual;
  • Síndrome dos Ovários Policísticos;
  • Reposição hormonal na Menopausa e Andropausa
megaloterias
megaloterias