Preciso ao Crime

Prédio da milicia no Recreio dos Bandeirantes é demolido pela SEOP

Engenheiros da Prefeitura estimam um prejuízo de R$ 13 milhões aos responsáveis

megaloterias
SEOP e Gaeco realizam demolição de prédio de sete andares, no Recreio dos Bandeirantes
SEOP e Gaeco realizam demolição de prédio de sete andares, no Recreio dos Bandeirantes

A Secretaria de Ordem Pública e o Ministério Público, por meio do Grupo de Atuação Especializada no Combate ao Crime Organizado (GAECO), realizam nesta quarta-feira, dia 22, o início da demolição de um prédio de sete andares localizado na rua Flávio de Aquino, próximo ao Terreirão, no Recreio dos Bandeirantes, área que sofre forte influência do crime organizado. Engenheiros da Prefeitura estimam um prejuízo de R$ 13 milhões aos responsáveis.

O prédio residencial multifamiliar ocupa um terreno de aproximadamente 500 m²  e é composto por um nível térreo mais seis pavimentos, sendo cinco em fase de acabamento e o último em fase de estruturas. A construção não atende os parâmetros urbanísticos definidos para o local, onde é permitido apenas construções com até dois andares, dentre outras exigências. O edifício possui oito apartamentos por pavimento, totalizando 48 unidades. Os responsáveis já haviam sido notificados sobre o embargo da obra e mesmo assim aceleraram as construções. Durante a operação,  os agentes encontraram diversas janelas e portas com cortinas para fingir que os apartamentos estavam habitados, uma forma de enganar a equipe.

“Essa é mais uma operação de demolição da Seop. Hoje a gente está demolindo um prédio aqui no Recreio, no Terreirão, uma área que sofre forte influência do crime organizado, da milícia. Sabemos que essa milícia da região faz uso do mercado imobiliário ilegal como forma de lavagem de dinheiro, como forma de lucrar, então é uma forma da prefeitura contribuir também nessa asfixia financeira do crime organizado. É a missão, inclusive, que nós cumprimos desde 2021. Já demolimos mais de três mil construções ilegais com prejuízo estimado de cerca de R$ 420 milhões de reais para esses criminosos, para essas quadrilhas. Além, obviamente, da preservação da vida, são construções sem nenhum tipo de segurança, licença ou autorização, e nós também cumprimos a missão de ordenar a cidade, e vamos continuar fazendo esse trabalho, especialmente na Zona Oeste, onde esse tipo de ilegalidade acaba sendo mais frequente”, enfatiza o Secretário de Ordem Pública, Brenno Carnevale. 

Também participam da operação agentes da Guarda Municipal, da Comlurb, Light, Cedae, Rio Luz, Secretaria de Habitação e da Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI/MPRJ).

Desde 2021 a Secretaria de Ordem Pública já realizou mais de três mil demolições de construções irregulares em todo o município, sendo 70% delas em áreas com atuação do crime organizado. A região mais afetada com as ações é a Zona Oeste e o bairro do Recreio dos Bandeirantes é o recordista de demolições. As ações causaram um prejuízo de aproximadamente de R$ 420 milhões aos cofres dos responsáveis.

megaloterias
megaloterias