Faturando

Carnaval 2024 deve movimentar R$ 5 bilhões na economia do Rio de Janeiro

O público total, durante todos os dias da festa, é estimado em 7 milhões de pessoas, nos desfiles do Sambódromo, na Intendente Magalhães, Terreirão do Samba, Carnaval de Rua e nos bailes populares

megaloterias
Desfile de bloco no Rio - Alexandre Macieira / Riotur
Desfile de bloco no Rio - Alexandre Macieira / Riotur

A Prefeitura do Rio de Janeiro estima uma movimentação econômica de R$ 5 bilhões no Carnaval 2024, com serviços ligados, direta ou indiretamente, aos festejos, como turismo, eventos, transportes, artistas, imprensa, publicidade, entre outros. O público total, durante todos os dias da festa, é estimado em 7 milhões de pessoas, nos desfiles do Sambódromo, na Intendente Magalhães, Terreirão do Samba, Carnaval de Rua e nos bailes populares. Os números são da terceira edição do estudo “Carnaval de Dados”, uma publicação elaborada pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Econômico (SMDUE), pela Riotur (Empresa de Turismo do Município do Rio de Janeiro e pelo Instituto Fundação João Goulart (FJG).

– O Carnaval de 2024 vai ser grandioso, com o mundo inteiro olhando para o Rio, a capital do G20. Nós mantivemos o incentivo para as escolas de samba, para realizarem um grande espetáculo e estamos dando todo apoio aos blocos que fazem uma linda festa nas ruas e movimentam a economia da cidade – afirmou o prefeito Eduardo Paes, celebrando a escolha da cidade do Rio para sediar a reunião de Cúpula e dezenas de importantes encontros do G20, o grupo formado pelas maiores economias do planeta

Sobre a arrecadação de ISS no mês do Carnaval (fevereiro), o Rio arrecada, no total, quase R$ 500 milhões, com todos os serviços prestados, ligados ou não ao Carnaval. Dos serviços que têm alguma relação, direta ou indireta, com o Carnaval, estima-se que a cidade arrecade quase R$ 200 milhões de impostos (ISS), sendo aproximadamente 20% somente com turismo e eventos.

– O setor de Serviços tem uma importância enorme na economia carioca, com peso de mais de 80%. O Carnaval, sem dúvida, é fundamental nesse processo. Durante todo o ano, a festa movimenta o setor da economia criativa, empregando milhares de profissionais e gerando renda. Nos dias oficiais, atrai turistas e uma multidão de cariocas e fluminenses pelas ruas da cidade e na Marquês de Sapucaí. É cultura pura, que aquece a economia e impulsiona a arrecadação. Dinheiro que volta para o cidadão por meio de projetos, iniciativas e políticas públicas, um círculo virtuoso – avalia Chicão Bulhões, secretário municipal de Desenvolvimento Urbano e Econômico do Rio.

Mais de 60 mil pessoas desfilam no Sambódromo

O “Carnaval de Dados” mostra o investimento que a Prefeitura do Rio faz na festa. Por meio de incentivo cultural, no total, o município fornece R$ 40,8 milhões para as Escolas de Samba que desfilam na Marquês de Sapucaí. Durante seis dias de desfiles no Sambódromo, são 28 Escolas de Samba do Grupo Especial (12) e da Série Ouro (16), com mais de 60 mil pessoas desfilando, além das 17 Escolas Mirins. Durante o ano, para a preparação para o Carnaval, foram 960 horas de preparação física para os artistas do Carnaval que participam do Samba Pass. Nas ruas, há centenas de blocos. 453 desfiles são preliminarmente autorizados pela Riotur.

– O Rio de Janeiro se apropria do Carnaval para apresentar ao mundo o que a cidade tem de melhor. Nosso planejamento começa com mais de quatro meses de antecedência, e os órgão públicos trabalham em consonância para garantir o brilhantismo da festa. A organização prévia permite que tanto o turista quanto os moradores desfrutem do evento e do legado que o Carnaval deixa para a cidade – destaca Ronnie Costa, presidente da Riotur.

Também há um enorme investimento logístico, operacional, com milhares de servidores públicos trabalhando nos eventos. São mobilizados 27 órgãos públicos da Prefeitura do Rio. Isso significa que 4 em cada 10 órgãos da Prefeitura atuam no Carnaval, sob a liderança da Riotur, responsável pela organização do Carnaval.

Em relação aos trabalhadores ligados aos diversos eventos do Carnaval, o estudo estima ter cerca de 50 mil pessoas. São 20 mil pessoas no Sambódromo, entre seguranças, faxineiros, jornalistas, pessoal dos serviços das lanchonetes, camarotes, entre outros. Nos eventos do Carnaval na cidade, são 20 mil servidores municipais, como garis da Comlurb, guardas municipais, funcionários da Riotur, CET-Rio, médicos da SMS, entre outros. E mais 10 mil ambulantes licenciados trabalham nos blocos espalhados pelo Rio.

No total, são 5,6 mil equipamentos destacados especificamente para atuação nos eventos. Por exemplo, são 939 veículos, entre viaturas da Secretaria de Ordem Públicas (SEOP) e da Guarda Municipal, caminhões da Comlurb e da Rioluz, ambulâncias da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), reboques da CET-Rio, dentre outros.

Há 32 leitos para eventuais atendimentos da SMS, nos seis postos localizados no Sambódromo; 530 projetores de LED da RioLuz; 26 Painéis de Mensagens Variáveis da CET-Rio, 69 câmeras de monitoramento da prefeitura. A SMS distribui 600 mil preservativos. E 19 órgãos vão realizar campanhas de conscientização durante o Carnaval.

– A celebração do Carnaval transcende a pura expressão cultural, funciona também como uma produção de conhecimento e memória coletiva sobre diversos temas, o que por si só já estabelece sua importância crucial. Além de sua reconhecida significância cultural e simbólica, a pesquisa contribui ao elucidar os benefícios econômicos e da sua cadeia produtiva. Estes aspectos, estimulados pelos eventos carnavalescos, trazem impactos positivos na cidade. O Carnaval é a essência do Rio de Janeiro, não apenas por sua tradição, mas porque promove o seu desenvolvimento – afirma Rafaela Bastos, presidente do Instituto Fundação João Goulart.

Principais buscas na Internet sobre o Carnaval do Rio

Alguns insights e curiosidades disponíveis no “Carnaval de Dados”, a partir do que as pessoas, no Rio, buscam no Google Trends:

•a pesquisa por blocos acontece nos fins de semana anteriores ao Carnaval, o famoso pré-carnaval;
•a busca pelos desfiles supera a dos blocos nos dias dos desfiles do Grupo Especial e nos dias seguintes, até mesmo no fim de semana pós-carnaval;
•o folião busca por fantasias alguns dias antes do carnaval, se preparando para as festas, mas deixa pra cima da hora, com o pico de buscas logo antes de começar efetivamente os dias carnavalescos;
•o termo Escolas de Samba é o mais buscado na quarta-feira de cinzas, o dia da apuração e resultado da grande vencedora;
•durante todo o mês de fevereiro, o principal termo buscado foi “bloco”, seguido por “desfile” e “fantasia”.

A Dupla do Rio, formada pelo casal de artistas Isa Xavier e Raul Farias Lima, que há 34 anos homenageia todos os mestres-salas e porta-bandeiras, atuando e bailando sobre pernas de pau, também foi citada na terceira edição do “Carnaval de Dados”. O estudo, que reúne 14 artigos assinados por acadêmicos, gestores públicos e especialistas no assunto, além de diversos dados, novas informações e curiosidades, está disponível no Observatório Econômico do Rio e no RepertóRio

megaloterias
megaloterias