Abin Paralela

ABIN sob Bolsonaro: Investigação liga Ramagem a milicianos do Rio de Janeiro

Documentos encontrados na casa de Ramagem ligam ex-diretor da ABIN a esquema que visava fortalecer candidaturas bolsonaristas

megaloterias
Alexandre Ramagem foi indicado por Jair Bolsonaro para concorrer a Prefeitura do Rio de Janeiro, agora tem seu nome ligado a milicianos - Foto: Reprodução
concorrer a Prefeitura do Rio de Janeiro, agora tem seu nome ligado a milicianos - Foto: Reprodução

Uma operação secreta da Agência Brasileira de Inteligência (ABIN) sob a gestão do ex-diretor e atual deputado federal, Alexandre Ramagem, ligado ao bolsonarismo, está sendo investigada por desvio de fundos secretos para contratar milicianos no Rio de Janeiro como cabos eleitorais.

O que você precisa saber:

  • A operação, conhecida como “Operação 06”, teria acontecido durante o período eleitoral de 2022.
  • Documentos encontrados na residência de Ramagem durante uma busca pela Polícia Federal ligam o ex-diretor da ABIN ao esquema.
  • A Comissão Mista de Controle das Atividades de Inteligência (CCAI) do Congresso acompanha o caso.
  • Ramagem nega as acusações, mas as evidências contra ele são crescentes.

Financiamento de Milícias:

A investigação aponta que os fundos secretos da ABIN, destinados a operações de inteligência, foram desviados para pagar milicianos que atuaram como cabos eleitorais de candidatos bolsonaristas.

Influência do Bolsonarismo:

O escândalo expõe a influência do bolsonarismo nas estruturas de poder do Brasil e o uso de práticas ilegais e antiéticas para favorecer candidaturas alinhadas ao grupo.

Desafios para a Investigação:

A natureza secreta das operações de inteligência e a falta de recursos da CCAI dificultam a investigação do caso.

Impacto na Democracia:

O esquema revela as fragilidades do sistema de inteligência do Brasil e o perigo das milícias e do crime organizado infiltrando-se na política.

Com informações da Revista Fórum

megaloterias
megaloterias