Desigual

Rio de Janeiro está longe de atingir metas da ONU em igualdade de gênero e meio ambiente, segundo entrevistados pela Agenda Pública

Percepção dos usuários de serviços públicos da capital fluminense deixa a cidade com índices baixos

megaloterias
Rio de Janeiro está longe de atingir metas da ONU em igualdade de gênero e meio ambiente, segundo entrevistados pela Agenda Pública
Imagem: Reprodução

Se o Brasil quiser cumprir as 17 metas globais das Nações Unidas para 2030, os chamados ODS (objetivos de desenvolvimento sustentável), terá que correr contra o tempo em cidades como o Rio de Janeiro para avançar em questões sobre igualdade de gênero e preservação do meio ambiente.

Essa é uma das conclusões da pesquisa “Percepção sobre sustentabilidade nas 10 capitais brasileiras”, realizada no Rio de Janeiro e outras nove capitais brasileiras pela Agenda Pública, especializada em formulação de políticas públicas, transição justa e inovação.

O objetivo da pesquisa de sustentabilidade é medir a percepção dos entrevistados sobre as metas dos ODS nas dez capitais, uma vez que várias delas podem ser implementadas por meio de serviços públicos municipais básicos.

A pesquisa revela que 25% dos entrevistados do Rio de Janeiro discordam da frase “A prefeitura da minha cidade está promovendo a igualdade de gênero e a inclusão social”. Apenas 22% concordam com essa afirmação. 

Ainda em meio à discussão sobre impactos ambientais, 45% discordam e 16% concordam com a frase “A prefeitura do meu município protege o meio ambiente e promove ações de combate às mudanças climáticas”. Uma fatia de 33% não concorda, nem discorda.

O levantamento da Agenda Pública faz parte de um estudo mais abrangente, “Pesquisa Nacional: Qualidade dos Serviços Públicos nas Capitais”, que ouviu moradores de dez capitais brasileiras sobre os mais diversos temas.

“A menos de sete anos de atingir o prazo limite para cumprir os 17 ODS, o poder público municipal precisará criar estratégias para acelerar e potencializar iniciativas, priorizando áreas que possam ter maior impacto no desenvolvimento”, afirma Sergio Andrade, diretor executivo da Agenda Pública.

Outros resultados – Os moradores do Rio de Janeiro também avaliaram a frase “a prefeitura do meu município trabalha para reduzir a pobreza e a desigualdade”, e 12% dos entrevistados concordaram com o enunciado enquanto os que discordaram foram 53%; outros 30% não concordaram, nem discordaram.

Outra indagação apresentada foi a de que “a prefeitura escuta as necessidades da população e promove a participação pública dos cidadãos”. Entre as respostas, 49% discordaram e 14% concordaram; 33% não concordaram nem discordaram.

Foi solicitado ainda aos moradores do Rio de Janeiro que respondessem se estavam de acordo com a afirmação “a prefeitura da minha cidade trabalha de forma eficiente e transparente para os cidadãos”. Uma parcela de 13% dos moradores afirmou concordar; 31% responderam “nem concordo, nem discordo”; 52% deles discordaram; e 4% não souberam responder.

Importante notar na pesquisa que em vários municípios a resposta “não concordo nem discordo” obtém porcentagens significativas, o que reflete um desconhecimento da população sobre os Objetivos de Desenvolvimento Social da ONU.

Sobre os ODS – A Assembleia Geral da ONU estabeleceu 17 ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) no ano de 2015. Além da igualdade de gênero, as metas incluem outros temas como garantir educação de qualidade; disponibilizar o saneamento básico para toda a população; tornar as cidades locais sustentáveis que preservam o meio ambiente; e tomar medidas urgentes para combater as mudanças climáticas.

Missão 2030: O prazo para agir está se estreitando. Por isso, a Agenda Pública lançou em 2022 um conjunto de propostas para acelerar e direcionar o esforço brasileiro para o cumprimento das metas previstas para 2030. Trata-se do BR22+8, iniciativa formulada no contexto da eleição presidencial e que defende uma agenda de desenvolvimento baseada em princípios de sustentabilidade e inclusão para recuperação econômica para o Brasil (https://reset.org.br/br22mais8/). Essa é a principal bandeira da organização junto à Comissão Nacional dos ODS, que será lançada oficialmente em dezembro de 2023 pela Presidência da República.

Sobre a pesquisa – O levantamento foi feito em colaboração com o Instituto Ideia e ocorreu entre 28 de setembro e 1º de outubro, a partir de 3.024 entrevistas. A pesquisa foi feita com uma amostra por meio de cotas variáveis, que distribuiu a população conforme os dados da PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) 2023 e do Censo 2010 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O site https://gestaopublica.org.br/  disponibiliza análise da percepção dos moradores das capitais de todas as questões sobre Sustentabilidade, tema que integra a Pesquisa da Qualidade de Serviços Públicos nas Capitais Brasileiras

megaloterias
megaloterias