Mais Alta Honraria

Ludmilla recebe medalha Pedro Ernesto no Rio de Janeiro

A condecoração foi motivada pelo fato de ela ter liderado, no ano passado, uma grande campanha de doação de sangue para ajudar o HemoRio

megaloterias
Ludmilla recebe medalha na Alerj - Foto: Octacílio Barbosa
Ludmilla recebe medalha na Alerj - Foto: Octacílio Barbosa

A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) homenageou na noite desta terça-feira (06/02) a cantora Ludmilla com a Medalha Tiradentes, a mais alta honraria concedida pela Casa. A condecoração foi motivada pelo fato de ela ter liderado, no ano passado, uma grande campanha de doação de sangue para ajudar o HemoRio – a artista conseguiu mobilizar centenas de pessoas nessa ação social, que resultou numa coleta recorde. A deputada Franciane Motta (União) é autora original da homenagem.

Ao todo, mais de duas mil bolsas de sangue foram doadas em três dias de campanha, impactando a vida de mais de oito mil pessoas e mobilizando o maior volume de doadores em um único dia desde a abertura do Hemocentro, em 1944.

Ao receber a Medalha Tiradentes, Ludmilla revelou profunda gratidão e satisfação, considerando a homenagem um reconhecimento significativo à sua ação social. A cantora disse que sua missão de vida vai além da música, buscando propósitos mais amplos e sociais, destacando a importância de atrelar sua carreira a causas que sempre foram seus sonhos.

“Essa medalha é muito especial e vai ficar linda ao lado do meu Grammy. Finalmente, veio o grande reconhecimento por essa ação social que eu fiz. Eu sempre quis ter a minha carreira atrelada a outros tipos de propósito, porque eu creio que eu vim nesta terra não foi só para cantar. Desde que vi o potencial do projeto Numanice para conectar-se às causas sociais que sempre sonhei apoiar e tive a ideia de realizar a doação de sangue.”

Em novembro de 2022, a cantora Ludmilla ganhou seu primeiro prêmio do Grammy Latino da carreira na categoria “Melhor álbum de Samba/Pagode”, pelo disco Numanice #2. Ela comentou ainda que sua experiência como embaixadora do HemoRio a sensibilizou para as necessidades urgentes de doação de sangue e como essa ação social faz diferença na vida das pessoas.

Deputadas destacam atuação social da cantora

“A atuação de Ludmilla vai muito além dos palcos. Promoveu uma das maiores campanhas de doação de sangue do estado, mobilizando uma legião de fãs. Isso mostra que a cantora, além de desempenhar o seu papel na cultura, na defesa dos direitos das mulheres negras e LGBTQIAPN+, também tem uma grande importância no avanço da sociedade”, afirmou Franciane Motta.

A deputada Zeidan (PT), terceira vice-presidente da Alerj, expressou seu reconhecimento à cantora, destacando a importância da cultura, arte e educação para a população do Estado: “Ludmila não é só um exemplo que, sem medo, ganhou não só os palcos, mas o coração do Brasil, tornando-se uma inspiração para muitas meninas, jovens e mulheres negras de comunidades”.

Já a parlamentar Renata Souza (Psol) destacou Ludmilla como uma referência na cultura popular preta e periférica, reconhecendo a importância do seu nome no cenário da música popular brasileira, contribuindo para a diversidade e representatividade.

“O funk é alimento na mesa das pessoas que fazem da arte, da cultura de preto, pobre e favelado uma forma de ser, estar e existir neste mundo. É muito emocionante estar aqui podendo homenagear todas nós, mulheres pretas de favela e periferia, que seguimos caminhos que muita gente disse que não conseguiríamos”, comentou a deputada.

A deputada Verônica Lima (PT), presidente da Comissão de Cultura, enfatizou a capacidade transformadora da cultura e defendeu sua implementação como política pública acessível a todos. “É por entendermos a cultura como um instrumento transformador que esperamos sempre daqueles e daquelas que brilham nas telas e nos palcos, que são referência e potência, se coloquem sempre nesse lugar de transformação que a sociedade brasileira ainda precisa percorrer”, comentou.

Também estiveram presentes na cerimônia os deputados Professor Josemar, Dani Monteiro e Yuri (todos do Psol).

O projeto tem a coautoria dos deputados Andrezinho Ceciliano (PT), Brazão (União), Carla Machado (PT), Carlos Minc (PSB), Dani Balbi (PCdoB), Dani Monteiro (PSOL), Elika Takimoto (PT), Flávio Serafini (Psol), Jari Oliveira (PSB), Júlio Rocha (Agir), Marina do MST (PT), Prof. Josemar (Psol), Renata Souza (Psol), Renato Machado (PT), Verônica Lima (PT), Yuri (Psol) e Zeidan (PT).

megaloterias
megaloterias