Milicias

Escritório do Crime mata pelo menos 3 políticos no Rio de Janeiro

Livro revela bastidores de execuções encomendadas pelo grupo de pistoleiros

megaloterias
Adriano da Nóbrega. Foto: Reprodução
Adriano da Nóbrega. Foto: Reprodução

Pelo menos três políticos foram assassinados pelo Escritório do Crime, grupo de pistoleiros ligado à milícia carioca, entre 2007 e 2009. A informação é do livro “Decaído”, do jornalista Sérgio Ramalho, lançado nesta sexta-feira (5).

O que você precisa saber:

  • O livro relata as execuções dos deputados estaduais Ary Ribeiro Brum e Alberto Salles, e do vereador Josinaldo Francisco da Cruz.
  • A milícia, formada por policiais e ex-policiais, recebe quantias milionárias pela encomenda de assassinatos.
  • Alguns membros são suspeitos de terem participado do assassinato da vereadora Marielle Franco.
Escritório do Crime mata pelo menos 3 políticos no Rio de Janeiro
Capa do Livro

Segundo o livro, o vereador Josinaldo Francisco da Cruz, conhecido como Nadinho do Rio das Pedras, foi assassinado em 2008 após aliar-se a uma milícia rival e perder as eleições daquele ano.

O vereador Alberto Salles foi morto em 2009 após denunciar uma tentativa de extorsão de milicianos.

O deputado estadual Ary Ribeiro Brum foi morto em 2007 após o suposto mandante do crime, o empresário Lindemberg Sardinha Meira, descobrir um rombo de R$ 800 mil nas contas de uma sociedade que eles tinham juntos.

O livro também aborda a relação do líder do Escritório do Crime, Adriano da Nóbrega, com a família Bolsonaro. Nóbrega foi morto em fevereiro de 2020 na Bahia.

megaloterias
megaloterias