Moro Réu

STF torna Moro réu por calúnia contra Gilmar Mendes

Ex-juiz é acusado de calúnia por comentário sobre ministro do STF

Sergio Moro - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Sergio Moro - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Brasília – Após ser absolvido pelo TSE das acusações de abuso de poder econômico e caixa 2, o senador e ex-juiz Sergio Moro enfrentou uma reviravolta ao se tornar réu por unanimidade na 1ª Turma do STF por calúnia contra o ministro Gilmar Mendes. A decisão foi tomada por 5 votos a 0.


ESTAMOS NAS REDES

Siga-nos no X

Inscreva-se no no Youtube


O que você precisa saber

  • Nova Acusação: Sergio Moro é acusado de caluniar o ministro Gilmar Mendes.
  • Decisão do STF: A 1ª Turma aceitou a denúncia por unanimidade.
  • Reação de Moro: O senador classificou a decisão como “uma piada”.
  • Possíveis Consequências: Se condenado, Moro pode perder o mandato e ser preso.

Contexto e Repercussão

Decisão do STF

A 1ª Turma do STF decidiu por unanimidade tornar Sergio Moro réu por calúnia. A acusação se refere a um comentário feito por Moro em uma festa junina, que foi gravado e divulgado sem seu conhecimento.

“A Primeira Turma do STF recebeu denúncia por suposto crime de calúnia contra mim por ter feito, antes do exercício do mandato de Senador, uma piada em festa junina na brincadeira conhecida como ‘cadeia’,” disse Moro, defendendo-se.


Leia Também


Preocupações Familiares

A decisão gerou preocupação na família do senador, especialmente em sua esposa, a deputada Rosangela Moro. Em uma conversa flagrada pelo fotojornalista Lula Marques, Rosangela expressou seu receio sobre as consequências da acusação.

“Qual crime? Calúnia?” perguntou Rosangela. “Em tese pode ser em decorrência das causas de aumento, mas altamente improvável,” respondeu Moro, tentando tranquilizá-la.


Históricos de Conflito

Relação com Gilmar Mendes

O conflito entre Sergio Moro e Gilmar Mendes remonta a 2016, quando Mendes cassou a nomeação de Lula como chefe da Casa Civil, alegando desvio de finalidade para evitar que Lula fosse julgado por Moro. A decisão de Mendes foi baseada em informações que depois se revelaram enganosas.

“Eles deram como certa que a nomeação de Lula era uma tramoia jurídica para tirá-lo das mãos de Moro,” analisou Michel Temer em entrevista, destacando o impacto da decisão no cenário político.


Próximos Passos

Com cinco ministros votando para torná-lo réu, Moro agora enfrenta um julgamento que pode resultar na perda de seu mandato e até em prisão, dependendo da pena aplicada.