Cumprindo Ordens

Ex-ajudante de ordens de Bolsonaro Revela Autorização Presidencial para Venda de Joias

Tenente-coronel Mauro Cid Implica Bolsonaro em Suposta Lavagem de Dinheiro

megaloterias
pix-de-r$-17-mi-para-bolsonaro-e-transacoes-atipicas-de-mauro-cid-serao-investigadas-por-cpmi
PIX de R$ 17 mi para Bolsonaro e transações atípicas de Mauro Cid serão investigadas por CPMI

A Revelação de Mauro Cid e as Implicações para Bolsonaro

O tenente-coronel Mauro Cid, ex-principal ajudante de ordens de Jair Bolsonaro, trouxe à tona uma série de acusações em seu acordo de delação premiada com a Polícia Federal.

Nesse cenário, Bolsonaro é implicado em um suposto esquema de desvio de bens públicos e lavagem de dinheiro relacionados à venda de joias, incluindo um relógio Rolex.

Ligação de Cid com Bolsonaro

  • Determinação Presidencial: Cid afirma ter recebido “determinação” direta de Bolsonaro para avaliar e vender um Rolex e outros itens de um kit de joias valiosas presenteadas pela Arábia Saudita.
  • Homologação do Acordo: O acordo de delação foi homologado pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), em 9 de setembro.

O que Aconteceu

  • Contexto da Venda: Segundo depoimento de Cid, Bolsonaro estava preocupado com despesas pessoais no início de 2022, incluindo pagamentos de uma condenação judicial, gastos com mudança e transporte de presentes, e multas de trânsito. Ele questionou Cid sobre presentes de alto valor recebidos durante o mandato.
  • Identificação dos Itens: Cid, então, consultou o Gabinete Adjunto de Documentação Histórica (GADH) para identificar os relógios presidenciais.
  • Autorização para Venda: Cid alega ter recebido autorização direta de Bolsonaro para vender o Rolex de ouro branco da Arábia Saudita, considerado o item mais rapidamente vendável.

Resposta de Bolsonaro e Reações

  • Autonomia do Ex-ajudante: Em agosto, antes da delação, Bolsonaro afirmou em entrevista que Cid tinha “autonomia” e que não ordenaria a venda de bens.
  • Classificação da Delação: O procurador Carlos Frederico dos Santos, da PGR, classificou a delação de Cid como “fraca”. No entanto, ele solicitou novas diligências para reunir mais provas.

As revelações de Cid lançam luz sobre possíveis irregularidades, gerando debates sobre a legalidade dos atos e as implicações na imagem de Bolsonaro.

megaloterias
megaloterias