Inacreditável

Bolsonaro diz que 8/1 foi “armadilha da esquerda”, mas critica pena a golpistas

Ex-presidente critica investigação e penas impostas aos manifestantes

megaloterias
Jair Bolsonaro - Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Jair Bolsonaro - Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O ex-presidente Jair Bolsonaro lamentou as depredações aos prédios públicos ocorridas nos ataques antidemocráticos de 8 de janeiro de 2023, em Brasília.

No entanto, ele atribuiu os atos à esquerda e criticou a investigação e as penas impostas aos manifestantes.

O que você precisa saber:

  • Bolsonaro lamentou as depredações, mas atribuiu os atos à esquerda.
  • Ele criticou a investigação e as penas impostas aos manifestantes.
  • Segundo Bolsonaro, seus seguidores não estiveram envolvidos nos atos.
  • Ele argumentou que as invasões dos prédios não caracterizaram um golpe de Estado.

Bolsonaro afirmou que seus seguidores não estiveram envolvidos nos ataques antidemocráticos. “Temos a convicção de que aquilo foi uma armadilha por parte da esquerda. Infelizmente, a investigação não avançou. Nem o general G. Dias fez parte do corpo final da CPMI. Então, a CPMI não serviu para absolutamente quase nada. Lamentável. Não é do pessoal que nos segue, que nos acompanha, pessoal bolsonarista, pessoas de direita, pessoal conservador, nunca foi de fazer isso”, afirmou o ex-presidente.

Segundo ele, a informação que tinha era que havia 300 pessoas no acampamento em frente ao Quartel General do Exército em Brasília, de onde saiu a maioria dos manifestantes, e onde eles seriam presos após os distúrbios. O ex-presidente enfatizou que as invasões dos prédios na Praça dos Três Poderes não caracterizaram um golpe de Estado.

Bolsonaro argumentou que os protestos em Brasília não tinham liderança. “Para haver a tentativa [de golpe], tinha que ter uma pessoa à frente. Tudo que foi apurado não levantou nome algum. São suposições. Quem vai dar um golpe com velhinhos, com pessoas idosas com a bíblia debaixo do braço, com a bandeira na outra mão, com pessoas do povo, com vendedor de algodão-doce, com motorista de Uber, com menor de idade, com criança? Quem vai dar um golpe nesse sentido? E outra: foi em um domingo”, destacou Bolsonaro.

Como parte de seu argumento de que não houve tentativa de golpe, Bolsonaro enfatizou que o alvo dos protestos não era o presidente Lula. “Um golpe é contra um chefe de Estado, não é contra um ministro do Supremo, presidente da Câmara ou do Senado. É contra o chefe de Estado, que naquela manhã já havia ido para Araraquara — avisado por alguém do problema que ia ocorrer — e foi para Araraquara se encontrar com o prefeito do município”, disse.

Ele também criticou as penas impostas aos manifestantes nos julgamentos do Supremo Tribunal Federal. “Lamentamos também as punições altíssimas que as pessoas sofreram. Até porque são culpadas, segundo o relator do STF, de uma tentativa armada de mudar o estado democrático de direito. E nenhuma arma foi encontrada. Nem traficante fica 17 anos de prisão”, finalizou.

megaloterias
megaloterias