Processo

Filho de Renato Russo pede que TikTok retire vídeos bolsonaristas com música "Que País É Esse"

Giuliano Manfredini diz que canção não deve ser associada a posicionamentos de direita

megaloterias
Renato Russo - Foto: Reprodução
Renato Russo - Foto: Reprodução

O filho do cantor Renato Russo, Giuliano Manfredini, enviou uma notificação extrajudicial à ByteDance, empresa proprietária do TikTok, solicitando a remoção de vídeos publicados por bolsonaristas que utilizam a música “Que País É Esse” como trilha sonora.

O que você precisa saber:

  • Giuliano Manfredini, filho de Renato Russo, enviou uma notificação extrajudicial à ByteDance, empresa proprietária do TikTok, solicitando a remoção de vídeos publicados por bolsonaristas que utilizam a música “Que País É Este” como trilha sonora.
  • O filho de Renato Russo diz que a canção, composta em 1978, é uma crítica à situação política e social do Brasil e não deve ser associada a posicionamentos de direita.
  • Até o momento, o TikTok não se manifestou sobre o pedido.

Giuliano Manfredini, filho do cantor Renato Russo, enviou uma notificação extrajudicial à ByteDance, empresa proprietária do TikTok, solicitando a remoção de vídeos publicados por bolsonaristas que utilizam a música “Que País É Este” como trilha sonora.

Giuliano Manfredini. (Foto: Reprodução)
Giuliano Manfredini. (Foto: Reprodução)

No documento, Giuliano destaca que tais postagens apresentam conteúdo político e ideológico em desacordo com as posições defendidas por seu pai, e ativamente combatidas por ele ao longo de sua vida. Provando-se a ignorância da maioria dos Bolsonaristas, Renato Russo deixou claro em uma entrevista para um audio-release, que eram CDs distribuído às rádios com entrevistas pré gravadas, o que achava de governos de direita que já tinham passado no Brasil , evangélicos e militares. O audio é de outubro de 1995 e foi gravado nos estúdios da EMI para divulgação do álbum “Equilibrio Distante”.

As publicações citadas abordam temas como a aprovação do “comunista” Flávio Dino em sabatina para o Supremo Tribunal Federal (STF), a visão de que “o Brasil não tem mais conserto”, e a menção à decisão que tornou o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) inelegível, acompanhadas de imagens do ex-chefe de Estado brasileiro. Ao menos sete perfis são mencionados como responsáveis pelos vídeos, e Giuliano solicita os dados cadastrais e registros de IPs desses usuários.

O filho de Renato Russo expressa sua preocupação em não permitir que a música, consagrada pela Legião Urbana, seja associada a posicionamentos de direita, especialmente aqueles que enaltecem o governo Bolsonaro.

O advogado Henrique Ventureli, que representa Giuliano, destaca que o objetivo não é restringir o uso da canção, mas evitar que ela seja adotada como hino do bolsonarismo, com o qual Giuliano não compactua.

“Giuliano, na qualidade de guardião do legado de seu pai, não tem interesse em associar essa música a nenhum lado específico da arena política. Ele busca evitar que a canção se torne um símbolo do bolsonarismo, uma posição com a qual ele não se alinha”, declarou o advogado.

O que disse a plataforma

Até o momento da redação deste texto, o TikTok não havia respondido à notificação extrajudicial. O advogado não descarta a possibilidade de buscar medidas judiciais caso o pedido não seja atendido pela plataforma.

“A gente espera que o TikTok atenda ao nosso pedido. Se não surtir nenhum efeito, obviamente vamos optar pela via judicial”, disse.

“Que País É Esse”

A música “Que País É Esse,” composta em 1978 por Renato Russo durante sua participação na banda Aborto Elétrico, é uma crítica à situação política e social do Brasil, sendo eleita em 1987 pela Rolling Stone Brasil como a 2ª maior música brasileira de todos os tempos.

megaloterias
megaloterias