Espetáculo

“Menina Mojubá” chega ao Teatro Dulcina

Premiado espetáculo humaniza a trajetória de pombagira para desconstruir preconceitos

Espetáculo “Menina Mojubá” chega ao Teatro Dulcina, após esgotar todos os ingressos em duas temporadas consecutivas
Espetáculo “Menina Mojubá” chega ao Teatro Dulcina, após esgotar todos os ingressos em duas temporadas consecutivas - Foto: Davi Tavare

Partindo do princípio de que a falta de conhecimento é o que sustenta a intolerância religiosa, “Menina Mojubá” coloca a existência de uma entidade de origem afro-brasileira no coração do debate, com o objetivo de questionar e desconstruir preconceitos. Após duas temporadas seguidas que resultaram em todos ingressos esgotados, o espetáculo retorna ao palco nesta sexta (14), às 19h, no Teatro Dulcina, até o dia 23. Na primeira semana, as apresentações ocorrerão também no sábado, às 19h, e domingo, às 18h. Na segunda semana, as apresentações serão no sábado, às 19h, e no domingo, às 18h. Os ingressos estão à venda no Sympla, custando R$15,00 (meia-entrada) e R$30,00 (inteira).

ESTAMOS NAS REDES

Siga-nos no X

Inscreva-se no no Youtube

“Menina Mojubá” revela a história de Menina, uma criança que cresceu na rua, conheceu as durezas da miséria, foi exposta a caminhos ilegais e esbarrou em um cortiço onde conheceu a maldade humana, mas Menina carregava em si uma força ancestral que a fez rainha no mundo espiritual. Sendo assim, ela busca garantir não só a própria sobrevivência, mas a de todos que são merecedores do seu amor. Com dramaturgia e atuação de Marcela Treze e direção de Gabriel Gama, “Menina Mojubá” já recebeu 17 Prêmios e 24 indicações e já circulou por diversos lugares, ressaltando não apenas a excelência artística do espetáculo, mas também sua capacidade de tocar em questões culturais profundas e urgentes. 

Sendo este espetáculo o primeiro da Cia Iboru Produções, a atriz Marcela compartilha seu entusiasmo diante do sucesso de “Menina Mojubá”, que esgotou todos os ingressos nas duas últimas temporadas realizadas no Teatro Glauce Rocha. “Pra nós o mais incrível é ver pessoas que nunca se identificaram com o ambiente teatral, nunca se viram nos palcos ou se interessaram por essa linguagem estarem se reconhecendo ali, se interessando e tendo uma nova perspectiva sobre o fazer artístico. Povos de terreiros que carregam tanta habilidade artística ancestral, conseguem se reconhecer como tal e isso é inspirador! Poder levar a beleza das pombagiras para tanta gente, é definitivamente um presente ancestral!”, destaca.

LEIA TAMBÉM

A peça tem o potencial de contribuir para o processo de desconstrução de preconceitos enraizados em relação às religiões de matriz africana, humanizando as entidades, como explica Marcela. “O espetáculo conta a história da pombagira de maneira empática, fazendo com que o pensamento imposto pela sociedade, muitas vezes demonizando este ser, se transforme em um novo olhar sobre essas entidades, criando uma relação mais humana e menos mistificada.”

Destacando-se por incorporar elementos autênticos da ritualística de terreiro, como os sons vibrantes do tambor, o aroma envolvente das ervas, e os pontos cantados, “Menina Mojubá” proporciona uma imersão completa aos espectadores. “O público é surpreendido ao entrar no espetáculo com o aroma das ervas e incensos depois de tomar uma cachaça branca para aguçar os sentidos, enquanto os músicos tocam para exu nos atabaques. Durante o espetáculo, são sete trocas de figurinos, dando vida e identidade aos personagens apresentados”, detalha a atriz.

“Menina Mojubá” é um espetáculo essencialmente pautado na ancestralidade, sendo também um movimento de reconhecimento e valorização das entidades de matrizes africanas, muitas vezes mal compreendidas e estigmatizadas na sociedade. “Todos os dias antes de começar a apresentação, eu peço aos meus guias que entreguem aquilo que as pessoas buscam ali. Peço para que saiam encantados pela beleza de pombagira e certos que essa entidade transmite amor”, conclui.

SINOPSE

Uma criança brasileira cresce nas ruas e descobre carregar consigo uma força ancestral. Se torna uma pombagira após seu trágico falecimento, tornando-se uma figura poderosa no mundo espiritual, capaz de proteger e livrar todos que tenham caminhos semelhantes aos seus. A história entrega um verdadeiro presente ancestral, apresentando ao espectador os elementos de relevância da ritualística de terreiro: sons do tambor, o aroma das ervas e os pontos cantados. Assim são apresentadas as entidades e suas características de vestimenta e trejeitos, com dança, música e muita energia feminina, oferecendo ao espectador uma experiência única de teatro.

SERVIÇO

Local: Teatro Dulcina
Endereço: R. Alcindo Guanabara, 17 – Centro, Rio de Janeiro – RJ
Datas: 14, 15, 16, 22 e 23 de junho (Primeira semana: sexta-feira e sábado às 19h e domingo às 18h. Segunda semana: sábado às 19h e domingo às 18h)

Ingressos: R$15,00 (meia-entrada) e R$30,00 (inteira)
Link para adquirir ingresso: Sympla
Duração: 55min
Classificação: 10 anos