Israel-Palestina

Na guerra, as palavras importam. Os “prisioneiros” palestinos também são reféns

Os milhares de palestinos, muitos deles crianças, mantidos arbitrariamente em "detenção administrativa" por Israel são tão reféns quanto aqueles capturados pelo Hamas em 7 de outubro

megaloterias
Ahed al-Tamimi, ícone da resistência palestina, posa durante uma entrevista exclusiva em Ramallah, Cisjordânia, em 16 de maio de 2021 [Issam Rimawi/Agência Anadolu via Getty Images]
Ahed al-Tamimi, ícone da resistência palestina, posa durante uma entrevista exclusiva em Ramallah, Cisjordânia, em 16 de maio de 2021 [Issam Rimawi/Agência Anadolu via Getty Images]

Paralelamente à ofensiva militar de Israel em Gaza, está ocorrendo outra luta desigual – uma luta que não é letal, mas que é insidiosa, pois molda as percepções que informam as políticas.

O governo israelense e seus substitutos têm perseguido constantemente o uso da linguagem que consideram prejudicial a Israel e sua narrativa de ocupação. Alguém poderia argumentar que isso faz parte da diplomacia.

Com certeza, mas nesses tempos de guerra, a guerra de Israel contra as palavras se tornou exatamente como sua ofensiva em Gaza: total. Quando se trata de sua guerra de palavras, ela se assemelha à tolice do bullying no pátio da escola.

Veja o exemplo recente do ministro israelense das Relações Exteriores, Eli Cohen, que castigou o primeiro-ministro da Irlanda, Leo Varadkar, postando: “Parece que você perdeu sua bússola moral e… está tentando legitimar e normalizar o terror. Que vergonha!”

Foi um ataque bastante rude ao primeiro-ministro de um país da UE por ter ousado usar as palavras de uma passagem bíblica do Novo Testamento – “uma criança inocente que estava perdida agora foi encontrada” – em sua graciosa postagem de 360 palavras em 25 de novembro no X para marcar a libertação pelo Hamas de Emily, uma menina irlandesa-israelense de nove anos mantida como refém desde 7 de outubro.

Tel Aviv chegou a convocar o embaixador da Irlanda em Israel por causa da postagem.

Crianças detidas por militares

Compare essa tempestade em uma xícara de chá com o uso generalizado do termo errôneo “prisioneiro” para definir os palestinos, incluindo centenas de crianças, algumas com apenas Emily, arbitrariamente presas e definhando em prisões militares israelenses por meses, anos ou décadas.

De acordo com as Nações Unidas, Israel deteve um milhão de palestinos no território ocupado, incluindo dezenas de milhares de crianças, por vários períodos de tempo, desde 1967.

Em seu relatório de julho de 2023 sobre a privação arbitrária de liberdade para o Conselho de Direitos Humanos da ONU, Francesca Albanese, relatora especial sobre a situação dos direitos humanos no território palestino ocupado desde 1967, estimou que 5.000 palestinos estavam na época detidos pelas autoridades israelenses.

De acordo com a lei israelense, uma criança palestina pode ser condenada a 20 anos de prisão por atirar uma pedra

Dos detidos, a maioria foi mantida pelas forças armadas, que exercem jurisdição sobre a Cisjordânia, enquanto a polícia e os tribunais civis têm jurisdição sobre a Jerusalém Oriental ocupada, porque ela foi formalmente anexada por Israel.

Regida pelos Regulamentos de Haia, pelas Terceira e Quarta Convenções de Genebra e pelo Protocolo Adicional I, bem como pelo direito humanitário internacional consuetudinário, a detenção de indivíduos em situações de ocupação beligerante só é permitida se for “absolutamente necessária” para a segurança da potência ocupante ou por “razões imperativas de segurança” e após um julgamento justo e imparcial dessas “pessoas protegidas”.

De acordo com a lei israelense, no entanto, uma criança palestina pode ser condenada a 20 anos de prisão por atirar uma pedra. As taxas de condenação por tribunais militares de crianças e adultos palestinos revelam a história: em 2011, o jornal israelense Haaretz relatou dados militares internos mostrando que 99,74% dos chamados julgamentos resultaram em condenações – 9.542 contra 25 absolvições.

‘Detenção administrativa’

De acordo com o Hamas, sua incursão de 7 de outubro dentro de Israel, que matou 1.200 pessoas, foi realizada principalmente para sequestrar israelenses para serem trocados por “prisioneiros” palestinos mantidos por Israel. Dessa forma, todos os prisioneiros mantidos pelo Hamas são, por definição, reféns.

Até mesmo os militares israelenses capturados, nominalmente prisioneiros de guerra, também são reféns, já que, de acordo com o Hamas, a captura deles no ataque de comando foi feita expressamente para exigir a libertação dos prisioneiros palestinos. Isso também se encaixa na definição de refém contida nos livros didáticos.

Na maioria das vezes, os prisioneiros palestinos presos, ou melhor, capturados pelo exército israelense na Cisjordânia ou pela polícia na Jerusalém Oriental ocupada, são reféns. De acordo com a lei israelense, qualquer palestino de qualquer idade pode ser preso a qualquer hora do dia ou da noite, sem mandado, sem acusações, e mantido por dias, meses ou anos sob “detenção administrativa”.

Se eventualmente for acusado, a acusação é normalmente uma ampla ameaça à segurança do Estado ou permanece secreta, de acordo com muitos advogados de palestinos detidos.

Essas práticas equivalem, por si só, a terrorismo patrocinado pelo Estado.

Os depoimentos de mães palestinas, aterrorizadas por uma batida militar às 3h da manhã em suas casas para levar seus filhos, maridos ou elas mesmas, são de arrepiar. A mensagem não tão subliminar é clara: não resista à ocupação e você ficará bem. Ou então.

A Anistia Internacional “descobriu que Israel tem usado sistematicamente a detenção administrativa como uma ferramenta para perseguir palestinos, e não como uma medida preventiva extraordinária e seletivamente usada”.

Quebrando a vontade dos palestinos

De acordo com organizações israelenses e palestinas de direitos humanos, mais de 3.000 palestinos, incluindo crianças, mulheres e jornalistas, foram presos na Cisjordânia pelos militares israelenses somente desde 7 de outubro, colocados sob detenção administrativa e muitos mantidos incomunicáveis.

Mais de 300 foram mortos, inclusive jovens como Adam Samer al-Ghoul, de nove anos, morto a sangue frio em 29 de novembro pelos militares israelenses nas ruas de Jenin.

Dos 240 palestinos libertados durante a trégua de sete dias em Gaza, 173 tinham 18 anos de idade ou menos. As autoridades israelenses ordenaram que eles e suas famílias não comemorassem sua libertação, seja em ambientes externos ou internos.

Esse modus operandi pernicioso serve a um propósito: instilar o medo em cada família, aterrorizar comunidades palestinas inteiras para forçar sua submissão

Enquanto isso, de maneira semelhante, um número similar de palestinos foi preso na Cisjordânia e na Jerusalém Oriental ocupada durante a trégua.

Esse pernicioso modus operandi serve a um propósito: instilar o medo em cada família e aterrorizar comunidades palestinas inteiras para forçar sua submissão e aquiescência à ocupação.

Nesse sentido, é evidente que os palestinos detidos arbitrariamente, jovens e idosos, meninos e meninas como Emily, também são reféns. Não apenas prisioneiros, presos políticos ou pessoas detidas arbitrariamente de acordo com o direito internacional, mas reféns. Seu preço: quebrar a vontade palestina de resistir à ocupação.

Desde o estatuto do tribunal militar de Nuremberg até o estatuto do Tribunal Penal Internacional, a tomada de reféns em um conflito internacional ou interno é um crime de guerra, passível de ser processado em um tribunal nacional de acordo com o princípio da jurisdição universal.

E é por isso que o ministro das Relações Exteriores de Israel, Eli Cohen, irá atrás de você, para intimidá-lo e silenciá-lo, com outro “shame on you”, caso você tenha a infelicidade de chamar um refém palestino de refém.

Porque na guerra, as palavras importam.

Artigo publicado originalmente em inglês no Middle East Eye em 7 de dezembro de 2023

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do DC.

megaloterias
megaloterias