Caso Marielle

Tarcísio Mota deve ser ouvido em caso Chiquinho Brazão

Brazão é acusado de envolvimento no assassinato de Marielle Franco

Tarcísio Motta
Tarcísio Motta - Foto: Reprodução

Brasília – O Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados realizará uma reunião na terça-feira (25), às 14h, para ouvir três testemunhas no processo de cassação do deputado Chiquinho Brazão (sem partido-RJ) por quebra de decoro parlamentar.

ESTAMOS NAS REDES

Inscreva-se no no Youtube

Siga-nos no X

Siga no Instagram

O que você precisa saber:

  • Reunião agendada: Conselho de Ética ouvirá três testemunhas na terça-feira (25).
  • Testemunhas: Procurador-Geral da República, Sub-procuradora-Geral e deputado Tarcísio Motta.
  • Acusação: Chiquinho Brazão é acusado de envolvimento no assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes.
  • Prisão: Deputado está preso desde março deste ano em penitenciária federal.
  • Defesa: Advogados afirmam que os episódios ocorreram antes do mandato na Câmara.

Audiência no Conselho de Ética

O Conselho de Ética da Câmara dos Deputados agendou uma reunião para ouvir o Procurador-Geral da República, Paulo Gonet, a Sub-procuradora-Geral, Raquel Dodge, e o deputado federal Tarcísio Motta (Psol-RJ). A audiência será conduzida pela relatora do processo, deputada Jack Rocha (PT-ES).

Acusação de Envolvimento em Assassinato

Chiquinho Brazão está preso desde março, acusado de ser um dos mandantes do assassinato da ex-vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco (Psol) e do motorista Anderson Gomes. O crime ocorreu em março de 2018 no centro do Rio de Janeiro.

LEIA TAMBÉM

Prisão e Outros Envolvidos

Além de Chiquinho Brazão, também foram presos o ex-conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ) Domingos Brazão e o ex-chefe da Polícia Civil do Rio de Janeiro delegado Rivaldo Barbosa.

Defesa do Deputado

A defesa de Chiquinho Brazão argumenta que as acusações da Procuradoria-Geral da República são anteriores ao seu mandato na Câmara dos Deputados.