Negociações continuam

Gleisi Hoffmann descarta dissidência e busca diálogo com Paes

Presidente do PT reafirma compromisso com negociações para escolha de vice na chapa do prefeito

Gleisi Hoffmann
Gleisi Hoffmann - Reprodução

Rio de Janeiro – A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, afastou a possibilidade de apoiar uma dissidência em favor da candidatura do PSOL caso as negociações com Eduardo Paes não avancem para a escolha do vice.

ESTAMOS NAS REDES

Inscreva-se no no Youtube

Siga-nos no X

Siga no Instagram


O que você precisa saber

  • Gleisi reafirma compromisso: Presidente do PT mantém foco nas negociações com Paes.
  • Sugestões de nomes: PT propôs André Ceciliano e Adilson Pires para a vice.
  • Movimento de dissidência: Conduzido por Lindbergh Farias, que apoia Tarcísio Motta do PSOL.

Compromisso institucional

Em entrevista à Agenda do Poder, Gleisi afirmou que continuará o diálogo com o prefeito para definir o vice. Ela destacou a importância de manter uma postura institucional e alinhada com os interesses do PT, evitando apoiar qualquer movimento de dissidência.

Pressão sobre Paes

O PT está determinado a intensificar a pressão sobre Eduardo Paes para garantir espaço na chapa. Com os nomes de André Ceciliano e Adilson Pires em jogo, o partido busca consolidar uma aliança que favoreça suas posições nas eleições.

Dissidência conduzida por Lindbergh

Embora Gleisi negue a possibilidade de dissidência, seu marido, o deputado Lindbergh Farias, já manifestou apoio à candidatura de Tarcísio Motta, do PSOL. Lindbergh declarou seu desejo de apoiar o professor, mostrando uma divisão dentro do PT sobre a estratégia a ser adotada.

Proximidade com Lula

Recentemente, Paes reforçou sua boa relação com o presidente Lula, destacando diversas parcerias e acordos que beneficiam o Rio de Janeiro. Esse apoio federal é um ponto estratégico para o prefeito, que busca fortalecer sua candidatura à reeleição.

LEIA TAMBÉM

Próximos passos

As negociações entre o PT e Eduardo Paes continuam, com a expectativa de definir a composição da chapa nas próximas semanas. Gleisi Hoffmann deve manter o foco no diálogo e na busca por um acordo que favoreça ambas as partes.