VÍDEO: Deputado amigo dos Bolsonaro nega escravidão e é chamado de “capitão do mato”

Deputado bolsonarista se revolta ao ser chamado de "capitão do mato" durante debate sobre escravidão

O deputado bolsonarista Hélio Lopes (PL-RJ). Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados
O deputado bolsonarista Hélio Lopes (PL-RJ). Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados

Brasília – O deputado Hélio Lopes (PL-RJ), também conhecido como Hélio Negão, negou a existência de escravidão no Brasil durante uma audiência da Comissão de Direitos Humanos, Minorias e Igualdade Racial na última quarta-feira (19). O parlamentar se revoltou ao ser chamado de “capitão do mato” por outro deputado presente.


O que você precisa saber

  • Hélio Lopes negou a existência de escravidão no Brasil durante audiência na Câmara.
  • O deputado se revoltou ao ser chamado de “capitão do mato”.
  • Hélio Lopes já havia acionado a Justiça contra o uso do termo, mas perdeu o processo.
  • A decisão judicial alegou que a expressão não configura injúria racial.

Declarações Polêmicas

Durante a audiência, Hélio Lopes questionou: “Quando acabou a escravidão, quantos por cento dos negros eram escravos aqui no Brasil?” A declaração gerou tumulto, culminando em outro parlamentar chamando-o de “capitão do mato”. Lopes se revoltou com a ofensa.

Contexto Judicial

O deputado já havia processado um homem por usar o mesmo termo para ofendê-lo, mas perdeu o caso. O juiz Marcos Augusto Ramos Peixoto, da 37ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, decidiu que a expressão “capitão do mato” pode ser ofensiva a qualquer pessoa, independentemente de raça, e não configura injúria racial conforme exigido pela lei.