Indiciamento iminente

PF tem provas para indiciar Bolsonaro e generais por ataques do 8/1

Relatório da Polícia Federal aponta envolvimento em ataque de 8 de janeiro

O general Walter Braga Netto e o ex-presidente Jair Bolsonaro devem ser indiciados pela Polícia Federal por envolvimento no 8 de janeiro. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
O general Walter Braga Netto e o ex-presidente Jair Bolsonaro devem ser indiciados pela Polícia Federal por envolvimento no 8 de janeiro. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Brasília – A Polícia Federal acredita ter elementos suficientes para indiciar o ex-presidente Jair Bolsonaro, o ex-ministro Walter Braga Netto e generais pelo ataque terrorista de 8 de janeiro de 2023. A conclusão do inquérito está prevista para agosto, segundo informações da CNN Brasil.

ESTAMOS NAS REDES

Inscreva-se no no Youtube

Siga-nos no X

Siga no Instagram


O que você precisa saber

  • Jair Bolsonaro e outros militares podem ser indiciados pela Polícia Federal.
  • O inquérito investiga o ataque de 8 de janeiro de 2023 em Brasília.
  • Entre os envolvidos estão o ex-ministro Walter Braga Netto e os generais Paulo Sergio Nogueira e Augusto Heleno.
  • O relatório final ligará os investigados à tentativa de golpe de Estado.

Provas do Inquérito

A Polícia Federal não pretende pedir a prisão dos envolvidos, a menos que surjam elementos que justifiquem a medida, como a coação de testemunhas. O inquérito será sustentado por provas de outras investigações, incluindo o plano golpista e a venda de joias.

Envolvimento de Militares

Além de Bolsonaro e Braga Netto, outros militares também podem ser indiciados, como o ex-ministro da Defesa Paulo Sergio Nogueira e o ex-chefe do GSI Augusto Heleno. O relatório mostrará como as investigações estão relacionadas à tentativa de golpe de Estado.

Documentos e Mensagens

Um dos principais documentos do inquérito é uma minuta golpista discutida por Bolsonaro e seus aliados, que buscava embasamento jurídico para um golpe de Estado após a derrota nas eleições de 2022. A Polícia Federal também descobriu que Braga Netto usava o “gabinete do ódio” para orientar milícias digitais e incitar militares ao golpe.

LEIA TAMBÉM

Análise da PGR

O relatório da Polícia Federal será enviado à Procuradoria-Geral da República (PGR), que analisará as provas e decidirá se apresentará uma denúncia ao Supremo Tribunal Federal (STF). Se a Corte aceitar a denúncia, os envolvidos se tornarão réus.