Acusações

Gleisi Hoffmann critica colunista da Folha de S. Paulo e o jornal Estadão

Presidente do PT contesta colunista e reforça compromisso com liberdade de imprensa e pluralidade

Segundo entendimento do relator, Gleisi foi acusada sem elementos que indicação qualquer ilícito - Wilson Pedrosa/Fotos Públicas
Gleisi Hoffmann - Foto: Wilson Pedrosa/Fotos Públicas

A presidente nacional do Partido dos Trabalhadores (PT), Gleisi Hoffmann, rebateu veementemente as alegações da colunista do jornal Folha de S. Paulo Mariliz Pereira Jorge, que tentou associar o PT e o presidente Lula à extrema direita bolsonarista.

O que você precisa saber:

  • Gleisi Hoffmann rebateu as alegações da colunista Mariliz Pereira Jorge, que tentou associar o PT e Lula à extrema direita bolsonarista.
  • A presidente do PT também criticou a publicação incorreta do Estadão sobre uma suposta reunião no Ministério da Justiça com familiares de presos.
  • Gleisi destacou a longa história de reportagens falsas contra o PT por parte da imprensa e reiterou o compromisso do partido com a liberdade de imprensa e expressão.

Em um tuíte, Gleisi ressaltou que essa comparação é uma estratégia recorrente para desviar o foco do alinhamento político da mídia e disseminar falsidades.

“Hoje na Folha mais uma colunista, @marilizpj, tenta equiparar o PT e Lula à extrema direita e Bolsonaro. É uma velha e falsa cantiga que ressuscita a qualquer pretexto, porque têm vergonha de dizer a que lado servem”, afirmou Gleisi.. Ela também criticou a publicação incorreta do Estadão sobre uma suposta reunião no Ministério da Justiça com familiares de presos, reforçando que o partido não atacou pessoalmente nenhum jornalista, mas exigiu a verdade dos fatos.

A jornalista Mariliz Pereira Jorge atacou a revista Fórum, que publicou as primeiras denúncias de assédio moral que teria sido praticado pela jornalista Andreza Matais, editora do Estado de S. Paulo, que foram acatadas pelo Ministério Público do Trabalho do Distrito Federal. No afã de defender Matais, Mariliz classificou a Fórum como “um antro de fake news” e acusou o governo do Partido dos Trabalhadores de “perseguir jornalistas”.

A líder petista destacou a longa história de reportagens falsas contra o PT por parte da imprensa e reiterou o compromisso do partido com a liberdade de imprensa e expressão, além da defesa do acesso à informação e à pluralidade nos meios de comunicação.

“O histórico de mentiras publicadas contra o PT por setores da imprensa é tão antigo quanto nosso partido. E nem por isso deixamos de defender a liberdade de imprensa e o direito de manifestação e expressão. Ao contrário: lutamos pela ampliação do acesso à informação e aos meios de comunicação. Queremos o debate, jamais a censura. Qualquer comparação com os métodos da extrema-direita é mais que indevida. É um posicionamento político travestido de vitimização”, destacou.

Gleisi também rejeitou a comparação entre a imprensa independente, vital para a informação no país, e os canais de comunicação associados à extrema direita, enfatizando que em uma democracia não deve haver monopólio na disseminação de notícias e opiniões.

“Da mesma forma que comparar a imprensa independente, fundamental para a informação em nosso país, com o submundo das redes e blogs da extrema-direita. Na democracia, não pode haver monopólio da notícia e da opinião”, finalizou.