Nem ele se apoia

Bolsonaro não morreu, mas Bolsonarismo está fraquinho na UTI

Ato organizado por Silas Malafaia para homenagear Cleriston Pereira da Cunha conta com número reduzido de participantes.

Manifestação bolsonarista tem baixa adesão e gera críticas nas redes sociais - Reprodução das Redes Sociais
sociais - Reprodução das Redes Sociais

Neste domingo (26), bolsonaristas se reuniram em frente ao Masp, em São Paulo, para uma manifestação liderada por Silas Malafaia, com o objetivo de homenagear Cleriston Pereira da Cunha, militante de extrema direita denunciado por atos golpistas em janeiro e falecido recentemente. No entanto, a baixa adesão chamou a atenção, tornando-se tópico nas redes sociais, onde hashtags como “Bolsonaro morreu“, “flopou” e “Bolsonaro cagão” dominaram as discussões devido à ausência do ex-presidente.

O que você precisa saber:

  1. Baixa Adesão e Críticas nas Redes: Manifestação bolsonarista tem participação reduzida, gerando críticas e hashtags negativas.
  2. Desistência de Bolsonaro: Ausência do ex-presidente na manifestação provoca hashtags como “Bolsonaro cagão” nas redes sociais.
  3. Ato em São Paulo e Rio de Janeiro: Organizado por Silas Malafaia, o evento homenageia Cleriston Pereira da Cunha com adesão limitada.

Baixa Participação e Críticas Virtuais

A concentração para o ato, marcada para as 14 horas, enfrenta baixa participação, desencadeando críticas nas redes sociais, com hashtags como “Bolsonaro morreu” “flopou” e “Bolsonaro cagão” entre os assuntos mais comentados.

Discursos e Críticas Políticas

Mesmo com atrasos nos discursos, manifestantes já entoam críticas a Lula e ao ministro do STF Alexandre de Moraes. Cleriston, que teve o habeas corpus negado pelo ministro André Mendonça, é lembrado no evento.

Presença de Malafaia e Magno Malta

Silas Malafaia e o senador Magno Malta participam do ato, intitulado “Em Defesa do Estado Democrático de Direito, dos Direitos Humanos e em Memória de Cleriston Pereira da Cunha”.

Homenagens a Bolsonaro e Baixa Adesão no Rio de Janeiro

Apesar da ausência de Bolsonaro, o ex-presidente é lembrado em cartazes e gritos dos manifestantes. No Rio de Janeiro, a convocação para outra manifestação também enfrenta baixa adesão.