Gratuito

“Cine Jardim” promove bate-papo com os diretores de "Cidade de Deus: 10 Anos Depois"

Evento acontece no Jardim Suspenso do Valongo com direito a pipoca e churros de graça

“Cine Jardim” promove bate-papo com os diretores de "Cidade de Deus: 10 Anos Depois"
“Cine Jardim” promove bate-papo com os diretores de "Cidade de Deus: 10 Anos Depois"

Sob as estrelas do Jardim Suspenso do Valongo, o projeto “Cine Jardim” realizará 8 exibições de filmes que destacam protagonismos de pessoas negras, LGBTQIAAPN+ e PcDs. O projeto começou em maio e desde então acontecerá uma vez ao mês, sempre no terceiro sábado do mês, até o dia 21 de dezembro. A segunda exibição será realizada no sábado (15 de Junho), às 19h, do documentário “Cidade de Deus: 10 Anos Depois”, em seguida um bate-papo com os diretores Cavi Borges e Luciano Vidigal. A entrada é gratuita, basta adquirir o ingresso no Sympla. O evento também oferece churros e pipoca gratuitos para que a plateia saboreie um lanche enquanto assiste ao filme.

O diretor Dom Filó, responsável pela Cultne.TV — a primeira televisão brasileira 100% dedicada à cultura negra, feita majoritariamente por pessoas negras; uma plataforma gratuita que possui o maior acervo audiovisual de cultura negra da América Latina —, está à frente da curadoria do “Cine Jardim”, que surge como um projeto que além de proporcionar entretenimento, pretende ser um espaço de diálogo e reflexão sobre questões educativas, políticas e sociais. 

A segunda exibição do “Cine Jardim” será do documentário “Cidade de Deus: 10 Anos Depois”, que resgata os dez anos passados desde o lançamento do longa-metragem – que recebeu quatro indicações ao Oscar –, mostrando as transformações vividas pelos atores na última década após o filme. Deram entrevistas atores como Seu Jorge, Alice Braga, Leandro Firmino da Hora, Darlan Cunha, Roberta Rodrigues, dentre outros. Ao término da exibição, será realizado um bate-papo com os diretores do documentário, Cavi Borges e Luciano Vidigal.

Leia também:

Thiago Viana, o idealizador por trás dessa iniciativa, compartilha sua visão. “As obras exibidas colocam o espectador em contato com diferentes cinematografias, narrativas, estéticas e culturas, estimulando rodas de discussões e promovendo um ambiente de liberdade e respeito”, destaca.

A primeira exibição foi do longa-metragem documental brasileiro ‘Black Rio! Black Power!”, dirigido por Emílio Domingos, que faz uma viagem no tempo, abordando os bailes de soul music dos subúrbios do Rio de Janeiro dos anos 70, que deram origem ao movimento Black Rio e serviram como espaço de afirmação de identidade e resistência política de jovens negros.

O evento contará com uma tela de cinema de 10m2, letreiros luminosos, lugares para as pessoas sentarem, distribuição de pipoca e participação de lanterninhas protagonizadas por atores. “Esses elementos combinados garantirão uma imersão completa no clima único do cinema a céu aberto”, garante Thiago.

Ao ocupar o Jardim do Valongo como local para as exibições, o projeto não apenas revitaliza culturalmente a área, mas também democratiza o acesso ao cinema.  A incentivadora do projeto, Vanusa Silva enfatiza ainda que a gratuidade das sessões não apenas atrai um público mais diversificado, mas também promove um ambiente inclusivo e acolhedor para todos os membros da comunidade no entorno e na região da Pequena África. “Penso que as exibições gratuitas ajudam a aumentar as oportunidades de enriquecimento cultural dessa população”, reflete.

O Cine Jardim não é apenas um evento, é um movimento que busca transformar a experiência cinematográfica em algo mais do que apenas assistir a filmes. É uma celebração da diversidade, inclusão e cultura, que promete deixar um impacto duradouro na comunidade e além. “O objetivo principal desta proposta é criar um circuito alternativo de cinema, exibindo filmes educativos, políticos, sem fins lucrativos que contribuem na formação de público, porque não só estimulam as pessoas a assistirem a obras audiovisuais, como também promovem rodas de discussões”, destaca Thiago.

Esse projeto faz parte da programação do Casarão Cultural João de Alabá, que promove atividades culturais, como oficinas, exposições e teatro, cinema, visitas guiadas e parcerias com outras instituições. O espaço fica aberto para visitação de terça a sábado das 10h às 18h e é gerido pelo Instituto Cena Portuária que atua na região há cerca de 10 anos.

SERVIÇO:

Local: Jardim Suspenso do Valongo

Endereço: Rua Camerino, Sn, Centro ( Em frente ao número 48)

Datas: 18 de Maio a 21 de dezembro de 2024  (todo terceiro sábado de cada mês)

Horários: Sempre às 19h 

Ingresso: Gratuito

Link para adquirir o ingresso: Sympla

Classificação: 16 anos